quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

VIVO ASSIM


VIVO ASSIM
Vivo assim,
Deslizando em versos
a procura de mim.
Desejos guardados,
sentimentos sondados,
e se fazendo enfim.Menina mulher,
tecendo a alma em sonhos,
sendo em linhas o contorno,
que te desenha em mim.
Delicadamente sou em voce,
como flor,em colcha de cetim.
(Patty Vicensotti)

CREIO EM TI


CREIO EM TI
Não me perguntes
se compreendo a tua apreensão,
se aceito esta nossa situação
de te mostrar como amigo,
de me beijar como irmão.

Não me perguntes
quanto tempo ainda resistirei
a loucura da tentação
de gritar este amor tão alto
para que a paz reine em meu coração
hoje em sobressalto.

Não me perguntes
por que minhas mãos
se afagam mutuamente,
trêmulas, perdidas
quando estás presente,
nem por que desvio de ti o olhar
assim que começas falar.

Não me perguntes
de onde vem a força que me sustenta,
a brisa que me acalenta,
a constância, a dedicação,
a garra nesta minha missão
de contentar-me
com as migalhas do tempo
que não me podes dar por inteiro.

Eternamente enamorada,
crente, liberada,
orgulho-me do amor que sinto,
da espera do encanto
de tão poucas horas
em que beijas meu pranto.

São todos teus
os momentos que vivi.
Creio em ti!
(Cleide Canton)

NAS ASAS DOS MEUS SONHOS


Nas asas do meus sonhos
pretendo encontrar-me contigo
e no dorso do meu cavalo alado
pretendo levá-lo comigo!
Deixemos de lado, por momentos,
segurança do chão,
os segundos do relógio,
as nossas pretensas obrigações...
Coloquemos em repousoos nossos pensamentos...
Deixa aberto o teu coração
como estou te abrindo o meu...
Talvez, então, nos encontremos
nos espaços dos meus versos...
Entre sem pedir licença
e faça das minhas fantasias os teus sonhos...
Cleide Canton





quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

MINHAS MÃOS


MINHAS MÃOS
Minhas mãos,
pousam na sinergia
do teu corpo,
quais serenas naves espaciais
a desafiar a gravidade
a flutuar,
com a sensibilidade,
de um vôo rasante,
intocado, exploratório
desenhando com cuidado
a geografia de montes,
montanhas, e colinas,
planícies, desfiladeiros,
grutas, cavernas,
matas e florestas,
vales e depressões...
A cada movimento,
a cada suave impulso,
minhas mãos
entrevêem o arrepio
que percorre
a superfície do teu corpo,
por conta
da magnética
e imperceptível distância
que impede o atrito
e, por enquanto,
o aconchego...
Minhas Mãos
querem apenas
passear de leve,
e com suavidade,
explorar, seduzir,
acarinhar, aconchegar,
conquistar, vibrar...
Querem prolongar
a insanidade
do derradeiro contato,
até o instante maior,
quando, exaustos,
formos afinal abduzidos
pela força
intergaláctica e inexorável
chamada Amor.
Quando
nada mais nos restar,
senão apenas
a irremediável fusão
de nossos corpos
num só corpo,
numa só avalanche
de emoções,
desencadeada toda vez que,
na sinergia
do teu corpo celestial,
quais serenas naves espaciais,
pousar em
minhas mãos...
(Ariovaldo Cavarzan)

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

SUSPIROS


Suspiros
Há uma ânsia
a agitar corações,
em descompassos de angústias
e na calma de cada emoção.

Relembranças acodem
feito afiados cinzéis,
demarcando cenários
de torvelinhos cruéis.


Pobres corações,
que ainda não sabem
de quantos soluços
é feita a saudade,
de quantos suspiros
é feito o amor...
(Ariovaldo Cavarzan)

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

QUEM SABE...



QUEM SABE...


Quisera te apagar de minha memória
Quisera rasgar a página do livro que marcou nossa história
Quisera apagar o que aconteceu,
quisera esquecer este louco amor que me invadiu e me enlouqueceu.
Sonho vivido de passado, amor confirmado,
amor proibido, amor sofrido..

Distância imensa, saudade da sua presença...
Te sentindo no peito, te sentindo na alma imploro a calma,
mas aos poucos vou morrendo,
sabendo que eu e você estamos mais distantes que supomos,
mais longe do que suportamos.
Quisera fugir, mas para onde quer que eu vá,
te amor vai me acompanhar, e eu sei que sempre,
sempre vou te amar.
Não há nada que possa este sentimento mudar,
não há nada que possa nos ajudar...

Prova dura na terra que nos foi dada a enfrentar...
Não diga mais nada...
Vá amor...
Continue sua caminhada,
mesmo com os nossos corações ardendo de paixão,
aprenderemos a conviver com a dor da separação...
Guarde contigo este tesouro, leve contigo
o amor mais amigo, o sonho interrompido.

Quem sabe na eternidade poderemos nos
reencontrar e livremente nos amar!

Quem Sabe...


(Cora Maria)

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

Me chame do que quiser


Me chame do que quiser
Se parece ingênuo que eu acredite nas pessoas, que me chamem de tola.
Se parece impossível que eu queira ir onde ninguém conseguiu chegar, que me chamem de pretensiosa.
Se parece precipitado que eu me apaixone no primeiro momento, que me chamem de inconseqüente.
Se parece imprudente que eu me arrisque num desafio, que me chamem de imatura.
Se parece inaceitável que eu mude de opinião, que me chamem de incoerente.
Se parece ousado que eu queira o prazer todos os dias, que me chamem de abusada.
Se parece insano que eu continue sonhando, que me chamem de louca.
Só não me chamem de medrosa ou de injusta.
Porque eu vou à luta com muita garra e muita vontade de acertar.
E foi lutando que eu perdi o medo de ser ridícula.
De ser enganada. De ser mal entendida.
Perdi, na verdade, o medo de ser feliz.
Não me incomoda se as pessoas me vêem de forma equivocada.
O importante mesmo é como eu me vejo...
Sem cobrança.
Sem culpa.
Sem arrependimento.
A gente perde muito tempo tentando agradar aos outros.
Tentando ser o que esperam de nós.
Eu sou o que sou e não peço desculpas por isso.
No meu caminho até aqui, posso não ter agradado a todo mundo,
mas tomei muito cuidado para não pisar em ninguém.
Sendo assim, me chame do que quiser, eu não ligo...
Porque eu só atendo mesmo quando chamam pelo meu nome, que eu tenho o maior orgulho de carregar.

Texto
Lena Gino

Quanto? 'Não sei!!!


Quanto? 'Não sei!!!
Hoje quero apenas dizer...
Do muito que vivi, também do meu sofrer,
Foi um tempo infinito, nem sei os porquês?
Daquele amar e de tanto querer.

Agora dizem que no amor não acredito...
Oh!!! Quem dera?
Sonho, com amores bonitos...
Naqueles que nos trazem nova era.

E não desejo que me reconheçam como poeta...
Apenas que respeitem o meu poetar,
Pois! Que da vida nada levo,
Quero apenas o meu versejar.

Apenas hoje! Quero ser eu mesma...
E usar de muita franqueza,
Muito chorei e até morri...
Agora só desejo ser aquilo que fiz.

E quem o quiser que fique aqui...
Pois só quero, de novo amar e ser feliz.
Autora
Eliete A. S. Bezerra
Agradeco o envio deste lindo texto, a minha
amiga, e poetisa
Cida valadares.

VOCE E EU


VOCE E EU

Quando estamos juntos
somente eu e voce
não somos mais dois mundos
somos um único ser.
Tudo à nossa volta
reflete intensa paixão
O céu e o mar se alinham
somos um só coração.
Tudo é desejo e liberdade
nas asas da imaginação
tudo é luz, claridade
doce face revelada da ilusão.

( José S.Santos )
Texto que recebi da amiga,
Poetisa e Formatadora
Zeze Couto

"Inconstância"


"Inconstância"
Procurei o amor, que me mentiu.
Pedi à vida mais do que ela dava;
Eterna sonhadora edificava
Meu castelo de luz que me caiu!
Tanto clarão nas trevas refulgiu,
E tanto beijo a boca me queimava!
E era o sol que os longes deslumbrava
Igual a tanto sol que me fugiu!
Passei a vida a amar e a esquecer...
Atrás do sol dum dia outro a aquecer
As brumas dos atalhos por onde ando...
E este amor que assim me vai fugindo
É igual a outro amor que vai surgindo,
Que há-de partir também... nem eu sei quando...

(Florbela Espanca)

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

Saudade



Saudade



Ah! que desejo de te ver novamente...
tocar-te e dizer-te
mil palavras de amor.
Sonho desfeito
em cinzas mortas,
porque já não mais sequer te posso decifrar.
Saudade amarga de silêncios,
de perguntas sem respostas,
de caquinhos sem par.
Lembro-me dos teus embalos e carinhos,

teus cabelos em desalinho,
teu coração repleto de amor.
Vou catando, assim, os pedaços de mim
nessa caminhada sem fim.
Seco minhas lágrimas
no vácuo que tu deixaste.
Vivo morrendo a cada dia
na esperança de renascer em ti...
Tropeço na infinita ausência de ti
a cada manhã, a cada momento,

a cada suspiro, a cada por-de-sol!

Que dor!


(Luiza De Resende Braga)



Botões de rosas






Botões de rosas

Colham botões de rosas enquanto podem,
O velho Tempo continua voando:
E essa mesma flor que hoje lhes sorri,
Amanhã estará expirando.
O glorioso sol, lume do céu,
Quanto mais alto eleva-se a brilhar,
Mais cedo encerrará sua jornada,
E mais perto estará de se apagar.
Melhor idade não há que a primeira,
Quando a juventude e o sangue pulsam quentes;
Mas quando passa, piores são os tempos
Que se sucedem e se arrastam inclementes.
Por isso, sem recato, usem o tempo,
E enquanto podem, vivam a festejar,
Pois depois de haver perdido os áureos anos,
Terão o tempo inteiro para repousar.



(Robert Herrick)

A BUSCA






A Busca


Nas veredas do meu viver
procuro morada , mero abrigo
de quem busca em seu coração contido
a paisagem da alma eterna.

O caminho nem sempre é íngreme

por vezes posso soltar as amarras
deleitar-me com águas correntes
como o rolar das pedras d'um rio.

Corpo solto, alado

chego às copas de centenárias árvores
na floresta magia do querer bem
e vislumbro a planície ao longe.

Trigais ensolarados, puro ouro

riqueza de corvos famintos
instinto visceral de sobrevivência...

Ao longe, algumas moradas

do amor, da dor, da solidão...

Percorro o tempo que me resta

desnorteio a bússola da realidade
num átimo chego ao destino
certa do dever cumprido.

A determinação do meu ser

encontra a casa do saber
incrédula ainda, indago ao andarilho
quem habita tão bela estância
ao que responde sorridente:"esta é a sua vida"!

Em êxtase, traspasso paredes translúcidas

percorro corredores intermináveis
e encontro ao final
sem portas a impedir minha pressa
uma grande abertura de muita luz.

A paz envolve minha existência

a busca não foi em vão
na casa do saber é onde está
a Janela da Vida!


(
Ligi@Tomarchio®)


VOAR




VOAR

Lá se foi meu coração,
na tentativa de voar sozinho
e alcançar o céu,
onde você mora...
onde vivem os sonhos
e a saudade.

Deixei-o ir,
porque lhe pertence
(Luiza de Resende Braga)

domingo, 1 de novembro de 2009

EU ME RENDO!





EU ME RENDO!
Eu me rendo, à sabia natureza que cria
e transforma sabendo o exato
momento que adormecer, precisa e
em seus leitos imprecisos, não
importa, num pactual instante
acorda...os seus filhos.
Rompem-se, então as bolsas.
Expulsos são os fetos num parto
natural, silente e belo.
Da placenta esterca-se a terra,
serpenteia o rio, crescem as
flores...basta um olhar, de
descoberta.
Eu me rendo ao mirar as flores,
quais aquarelas multicores,
matizadas...todas elas , já entregues,
batizadas.
E dão se as mãos margaridas, rosas,
jasmins, camélias...para enfeitar-nos
os jardins da vida.
Em outro olhar...as matas que
nossas florestas escondem,
onde a fauna e flora se entendem e
obedecem a ordem natural da mãe.
As clareiras nos instigam a chegar
mais perto,
tamanha beleza e realeza das
simples flores rastejantes, aos
nossos pés.
E, devagar, com carinho , bem de
mansinho , caminho... respeitando-as
no meu andar.
E o meu olhar delirante vê colibris
deslumbrantes, borboletas,
vaga-lumes quais estrelinhas,
piscando aqui e lá.
Um pouco além dessa estrada, nova
brisa, novo ar.
É o canto dos passarinhos que saem,
ou, retornam aos ninhos para o
dia, a noite entregar.
É o cicio das cigarras querendo
avisar à mata que a a chuva pode
chegar.
É o burburinho da fonte, nascente de
um novo rio que irá desaguar no
mar.
É a deslumbrante cachoeira que
desce passando rasteira,
desvirginando a grota,
menstruando, sem licença, gotículas
de sua beleza imensa, em nossas
faces e olhar.
Ah! eu me rendo! Me rendo sim.
Ao mar calmo ou bravio, ao céu que
inimagináveis situações se nos
interpõe...
Será? Será se está lá o meu lugar
e, se lá moram os que quero encontrar?
Rendo-me aos movimentos da terra,
de translação e rotação, criando as
estações , as noites e os dias.
Rendo-me à lua, majestosa e aos
eclipses maravilhosos...Que fantasia!

Rendo-me a toda arte que faz de toda
e qualquer parte a parcela principal.
Rendo-me a Deus, a Jesus que por
nós morreu na cruz, acredite você,
ou, não.
Rendo-me, enfim, aos poetas
e seresteiros, aos amantes por inteiro,
ao amor que passou e ao que está
por vir.
À paixão que virou amor e por isto,
se consolidou, ah!
Eu me rendo, me rendo, sim!
À poesia que existe em mim. Que me
transforma, enriquece, enobrece o
meu coração.
E ao que mais me rendo agora, se
lhe feri, meu querido amigo,
sem demora, eu lhe peço agora, o
seu perdão.
Pois assiste-me o amor à alma, que
quer voar com leveza, guardando
toda a beleza da vida que vivi...
Até agora!
(Cida Valadare)

CONTRASTES



CONTRASTES
Do movimento ritmado
de meu corpo,
perguntas fluem densas em meu ser.
Se apesar do pranto, sós,
aqui estamos...
Por que amamos?

Do sentimento, simples, presente,
que se infiltra,
e ninguém sabe como.
Se apesar do tempo e da idade
somos felicidade...
Por que choramos?

Com todos os defeitos de outrora,
e com tantas virtudes de agora.
Se somos fortes e aqui passamos
apesar da sorte...
Por que sonhamos?

Com vigor, o corpo rasga o corte,
e acalanta a metamorfose.
Se aqui vivemos apesar de sermos...
Por que morremos?

(ZzCouto)

sábado, 31 de outubro de 2009

IMPOSSIVEL!?


Impossível!?


É impossível?
Difícil responder...
Talvez sim... talvez não,
são tantas as faces do coração...
mas hás de compreender!

Sei que habitas, o íntimo do meu ser!
Na minha alma, às vezes desalentada
será sempre tu, o bem-querer!

Não posso negar evidências,
és meu dono, meu proprietário!
Mas tens sido perdulário
jogando-me ao vento... sem alento.

Entretanto...
nós nos pertencemos,
de um modo todo nosso,
num conchavo que transcende a razão,
até mesmo aos anseios da alma e coração,
do corpo também...

Sem nos termos, sem nos darmos mutuamente
não somos ninguém... sabes disso... eu também sei!

Então me diga... viver sem você?

Impossível!



(Ciducha)


ETERNIDADE

ETERNIDADE

O amor verdadeiro,
É se doar por inteiro...
A segurança da confiança,
faz o amor incondicional,
na hora do bem ou do mal...
Assegura um bem estar,
uma convivência ideal.
A fidelidade torna-se natural,
A mente não mais engana,
sabe-se o que quer...
O amado torna -se único,
A entrega é total...
O amor verdadeiro não tem idade.
O amor verdadeiro,
perdura por toda eternidade...


(Candy Saad)

TUAS MAOS




Tuas Mãos



Tuas mãos procuram as minhas,
num gesto de muito carinho.
São mãos que afagam
são mãos que se querem bem.
Trazem a brisa carinhosa
desta amizade perfeita.
Onde nos encontramos
num momento de muita emoção.
São mãos que se entendem
num único tocar.
É o carinho em forma de brisa,
que chega, afaga e consola.
São mãos bondosas
que colhem a lágrima
e acenam com alegria.
Tudo é válido.
Afinal as mãos expressam
tudo o que desejamos.
E assim é nossa amizade.
Feita de amor, carinho,
e muita emoção.

(Marici Bross)

ESTACOES




Estações



Se a vida é consequência dos nossos desejos,
deduz-se, deveria ser um mar de rosas,
afinal de contas, quem em sã consciência
deseja algo de mal para si mesmo?
Todavia, vemos diariamente
um "mundaréu" de gente sofrendo,
uns de maneira cruel pela falta de tudo:
saúde, alimentação, mal congênito, miséria absoluta,
e outros, com problemas de aceitação pessoal,
lunáticos, depressivos, obsessores e obsediados,
gente que tem tudo o que outros gostariam de ter,
menos a satisfação das conquistas.
Onde encontrar então, a tal felicidade?
Será utopia ou Shangri-la distante?
Parece que os homens resolveram
seguir uma viagem sem fim, cujo destino,
a tal da Felicidade,
é um ponto que não se encontra.
Por isso, tantos conflitos, abusos no consumo;
comemos, bebemos, fumamos, corremos demais,
temos pouco tempo para a reflexão,
parece que fugimos da realidade,
temos medo de encontrar "nós mesmos"
na próxima esquina.
Pense!
Onde você anda colocando a sua felicidade?
Qual é esse sonho que você não alcança,
que dor é essa que não sai do seu peito,
esse choro contido que "vaza" quando você menos espera?
Que desejo é esse de ter, consumir, ostentar,
mandar, dirigir vidas, consertar pessoas?
Esvazie-se!
Entenda de uma vez por todas
que a vida pede equilíbrio,
tudo tem um preço,
mesmo os sentimentos mais valiosos,
não se deixe levar pelas aparências,
eleja a simplicidade como modo de vida,
comemore cada conquista,
por mais simples que possa parecer.
São os seus olhos que vão te guiar até a Felicidade,
que agora, deixa de ser um ponto distante,
para ser a próxima rodoviária,
que fica ai mesmo, na sua casa.
Seja Feliz!
(Paulo Roberto Gaefke)

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

MEU ETERNO AMOR


Meu Eterno Amor


(Poema dedicado a sua querida esposa)



Lado a lado, sentados em nossas cadeiras de balanço
Observo de soslaio seus cabelos brancos
Como são lindos, de olhá-los não me canso
Cativaste-me desde o início com teus sorrisos francos.

Até hoje Deus nos mantém pelo amor enlaçados
52 anos já vivemos nessa união conjugal
Estamos de mãos dadas, dedos entrelaçados
Mais alegrias que tristezas sentimos sem igual.

Jovens ainda, quando nossos olhares se cruzaram
Corações em chamas de paixão se incendiaram
Sentimos naquele momento termos nos achado
Nada mais neste mundo, pôde nos ter separado

Durante essa abençoada união fizeste jus ao firmamento
Mas nem uma singela estrela pude te dar
Penso nisso meio frustrado neste momento
Porém sinto-me recompensado em poder te amar

Se algum dia daqui te fores antes de mim
Guiarei minhas preces para que logo me falte o ardor
Nada serei, se me faltares, prefiro abreviar meu fim
Atrás de ti quero seguir e perpetuar nosso amor.

Às Bodas de Brilhantes chegaremos?
Só Deus nos sanara estas dúvidas
Será que até lá as alcançaremos?
Haverá tempo para isso neste resto de nossas vidas?
Aperto mais tua mão para nos sentirmos unidos
Sem entender, nada perguntas, mas ficas meio sem jeito
Percebes apenas meus olhos umedecidos
Nada digo, inclinando-me dou-te um apaixonado beijo.

(Autoria Ary Franco)

Texto recebido pela minha querida amiga, e poetisa


ZzCouto

domingo, 18 de outubro de 2009

Mergulho

Mergulho


De dentro da escuridão,
livres como o vento,
brotavam os primeiros ruídos
num desencontro de sons,
de ensaios repetidos...



Mergulhei numa aventura,
de peito imergindo
em direção oposta à luz do sol,
no ébano que se impunha,
de um silêncio total...


Saí em disparada,
nadei e até flutuei,
sem descansar... procurei,
fugindo do mundo conturbado,
refém de amarras do tempo
e do espaço...


Cheguei ao além,
onde o tempo não flui,
porque a ansiedade se faz parente da
amargura e, quanto mais aprendemos,
mais tomamos consciência de
nossas falhas tantas...


Chequei possibilidades
de erro e, no espaço que
se abriu por meu horizonte,
tudo se fez perfeito...
O silêncio, o azul, o jardim e a
PAZ!



(ZzCouto)






Destroços



Destroços
Fez-se o amor do nada e nada ficou,
a vida, o corpo, a máscara e a fala,
tudo passou, porque tudo é efêmero...
Jogados na surdez do eco...
O amor se perdeu com o esquecimento,
se foi com a brisa fresca,
roçando minha face ardente,
e o meu corpo dorido ansiando prazer...
Nas noites inócuas e vazias,
num simples aceno, o amor se perdeu,
indo as lembranças e os carinhos,
afogados num copo vazio...
De um amor que se perdeu,
lembranças e saudades somente,
onde eu era o piscar da primeira estrela,
até não restar mais nada de mim...
Simplesmente destroços!
(ZzCouto)

sábado, 17 de outubro de 2009

A VOZ DO CORACAO


A Voz do Coração
Quantas vezes ouço a voz do coração
Que fala baixinho de amor sincero
Mas que chora com o silêncio da solidão.
Te comparo ao brilho das estrelas
Que me alentam nos momentos tristes
Me transmitindo a paz e a força de viver.
Coração que brota pétalas de alegria
Quando se entrega à sedução do amor
Como olhos que brilham de felicidade.
Ah! Como o coração incentiva sempre
Na sua voz quente como o Sol dos dias
Estimulando a continuação da vida.
Autoria
Adelia Mateus

ILUSÃO


ILUSÃO
Queria não ter me iludido,
Tão pouco, enganada...queria!.
Abri-te, meu coração...te entreguei
Um amor...
Que me arrebatou...de paixão!
As janelas de meus olhos
Permaneceram...por dias e dias
Abertas...
Querendo te ver.
Mas não!
Tu não vieste e
tão mal me compreendeste
Que me fechei...me tranquei,
me protegendo da dor ,
De um amor que não soube
vencer as primeiras investidas
do desentendimento.
Só... novamente fiquei
Jamais, duas partes farei:
Declare-se que eu irei
Prometo...
De outra forma,
Já decidi
Explicar ao meu coração
Que vou ficar com a razão..
E, até me podes perguntar?
Que razão?
Então...te responderei
Desculpe...
Foi só
Ilusão.
Autoria
Cida valadares

SEM PRESSA


SEM PRESSA
Meu amor, não tenhas pressa.
Anda devagar pela vida
que ela passa tão depressa
que se não for bem vivida,
vai-se embora e não regressa.
Vive a dor, o sofrimento,
o bem, o contentamento,
vive tudo o que vier.
Se perderes um só momento
não mais o voltas a ter,
que a vida passa a correr.
Inda "ontem" era criança
fui filho, homem e pai.
Hoje só tenho a lembrança
do tempo em que vivi bem
do que vivi a VIVER.
do outro, não quero saber.
Por isso não tenho pressa
vivo bem cada momento
já "tou" velho e a esperança
que ainda hoje alimento
é viver a cada momento
como quando era criança.
Por isso... não tenhas pressa.
Autoria Jose S. Santos
Texto recebido por email da minha querida
amiga, e poetisa ZzCouto

MINHAS EMOCOES



MINHAS EMOCOES

Emoções contidas dentro de mim
que corroem o meu coração.
Tanta emoção, tanta alegria!
Emoção em saber
que tenho você perto de mim.
Em saber que estarei ao seu
lado, a procura do nosso amar.
Quanta emoção
de olhar para o firmamento,
ver o céu todo prateado de estrelas,
e a lua sorrindo pra você!
De saber que no dia seguinte,
o sol estará brilhando,
e o cobrirá com seus raios dourados.
Quanta emoção...
De querê-lo perto do meu corpo,
sentir seu amor diáfano dentro
de mim.
Sentir seu roçar em meus cabelos,
me dando carícias e ternura.
Quanta emoção!
Sentir a gota de orvalho
cair e ver a transparência
de seus olhos a olhar
dentro de meus olhos.
Quanta emoção...
Amor meu...
Em ter você...
perto de mim!...

Maria Aparecida Macedo


Lambert Sustris, 1560 - Venus and Cupid




















Friedrich Overbeck, 1828 - Italia and Germania

Michelangelo Merisi da Caravaggio, 1595 - The Lute Player

sexta-feira, 16 de outubro de 2009



Te Amo!


Te Amo!
Quis fazer te um poema, mas me faltou fala.
Faltou-me a verve assim que se incendeia.
Faltou-me a inspiração que circula na veia,
Quando tudo emudece se bloqueia e cala.
Mas mesmo assim, eu segui na batalha.
Até que me vieram algumas rimas,
E se um neurônio dentro em mim trabalha
Logo se cria, uma emoção, um clima.
Agora,já com tudo encaminhado.
Com o meu verso quase que encaixado
Naquilo que quero,e pretendo e clamo.
Posso dizer assim sem embaraço
Que este rodeio todo que ora faço
É simplesmente pra dizer:
Te amo!
Jenario de Fatima

Lembranças



Lembranças
Quantas ...
Quantas noites mal dormidas,
Vendo o deslizar das horas mortas,
Vagamos por imagens absortas
No silêncio da casa adormecida.
Quantas as lembranças produzidas,
Que tomam de assalto o vão das portas
E erguem um retrato em linhas tortas
Daquilo o que foram nossas vidas.
E neste emaranhado sempre tem
A dor d'uma lágrima sentida
Que recorda-nos a face de alguém.
Alguém, por quem a alma chora e sonha
E o abraço ao travesseiro é a saída...
Mesmo que as vezes lhe encharque a fronha!

Jenário de Fátima

AMEI NAQUELE INSTANTE




Amei naquele instante

Foi um encontro marcado
nas linhas das mãos, traçado.
Na penumbra, um triste olhar
encontrou o meu olhar...
Tudo começou a mudar
com o riso arrebatador
de um guerreiro encantador.
Foi naquele exato instante o
inicio de uma história de amor.
Iza Mota
Recife-PE